7 tipos de gamificação para aplicar no ambiente corporativo

tipos de gamificação
6 minutos para ler

É cada vez mais frequente as empresas adotarem estratégias diversificadas para engajar seus colaboradores e mantê-los interessados na busca por resultados positivos. Pensando nisso, alguns gestores têm adotado vários tipos de gamificação, que podem ser fundamentais para superar esses desafios.

Gamificação é o termo usado para se referir ao uso de dinâmicas relacionadas a jogos para manter as pessoas motivadas, aperfeiçoar o método de aprendizado e ajudar a solucionar problemas, por exemplo.

Quer conhecer melhor essa estratégia e como ela pode ser implementada? Neste artigo, mostramos 7 aplicações diferentes da gamificação na empresa. Continue conosco para conhecê-las e entender melhor como elas funcionam!

1. Gamificação analógica

Antes de a internet se tornar tão acessível como atualmente, atividades e jogos manuais eram bem mais usados para o entretenimento. É o caso do dominó, do baralho e dos jogos de tabuleiro.

Com o avanço da tecnologia, as opções ficaram mais mescladas. Contudo, esse estilo de jogo ainda é bem eficiente quando introduzido à gamificação analógica — que nada mais é do que criar atividades baseadas nessas opções de entretenimento.

Dessa forma, consegue-se gerar uma interação mais aproximada entre os colaboradores da equipe, gerando impactos positivos para a empresa, principalmente no que diz respeito às relações interpessoais.

2. Gamificação digital

Já a gamificação digital consiste em utilizar os recursos oferecidos pelos meios tecnológicos, com seu conteúdo hospedado em plataformas eletrônicas — assim como nos jogos virtuais —, que podem ser acessadas por celulares, tablets e computadores.

A vantagem desse formato é a possibilidade de utilização de recursos de multimídia, dando mais dinamismo às atividades e possibilitando diferentes maneiras de aprendizagem e uma experiência mais rica em conhecimento.

3. Conquistas e recompensas

tipos de gamificação

O ser humano, no geral, é motivado pelas recompensas de suas ações, sejam elas no trabalho ou na vida pessoal. Essa necessidade pode ser utilizada na gamificação, com cada atividade positiva sendo devidamente recompensada — com algum bônus, privilégio ou item de interesse, por exemplo.

Isso vai influenciar positivamente no desempenho dos colaboradores, motivando-os a superar os desafios estabelecidos pelas dinâmicas e auxiliando na manutenção do interesse pelas atividades.

Outra atitude que pode ser tomada, além das recompensas, é sempre dar um feedback aos colaboradores. Caso seja positivo, dê as devidas felicitações e, caso negativo, procure aplicá-lo de maneira construtiva, demonstrando interesse em auxiliá-lo nas melhorias que podem ser feitas.

4. Moeda própria do aplicativo

Outro sistema que pode ser usado é o de mercado interno, que consiste na criação de uma moeda exclusiva do jogo, que os participantes podem acumular e, posteriormente, trocar por itens disponibilizados pela empresa, seja dentro da própria plataforma ou até mesmo algum produto real.

Um belo exemplo é disponibilizar produtos como viagens de fim de semana bancadas pela empresa, produtos eletrônicos, itens de uso pessoal — maquiagem, tênis e sandálias, bonés, carteiras etc.

Esse modelo se assemelha muito com o que fazem empresas aéreas — que fornecem pontos de milhas a cada viagem — e bandeiras de crédito, que acumulam pontos a cada compra com o cartão, que podem ser trocados por produtos.

5. Tabela de classificação

Para alimentar a competição entre os colaboradores de maneira saudável, o gestor pode criar uma tabela de classificação, com um ranking de resultados, estimulando o espírito competitivo de cada participante, mas essas notas (ranking) só pode ser mostrado individualmente.

Contudo, é fundamental ter cuidado na hora de aplicar esse sistema, de modo que ele não desestimule os colaboradores que ficarem para trás. Procure por maneiras de recompensar até os que não tiveram um desempenho tão satisfatório ou promova uma tabela na qual todos tenham chances claras de assumir a liderança, mantendo o interesse dos participantes na competição.

Essa ação, se não for bem planejada e executada, pode trazer o efeito contrário e desmotivar aqueles que não conseguem apresentar uma evolução dentro do jogo. Isso sem contar na possibilidade de o método gerar uma rivalidade que não é saudável para o ambiente.

6. Barra de progresso

Em vez de um sistema de pontuação mais simples — no qual se mostra apenas a quantidade ou a porcentagem concluída das atividades —, é interessante criar um sistema mais visual para os participantes acompanharem seu desempenho, como é o caso da barra de progresso.

Nesse caso, a ferramenta é uma grande aliada nessa tarefa, pois ela ajuda registrar a evolução dos colaboradores em atividades específicas, permitindo que os participantes saibam em que tipos de desafios teve melhor desempenho e onde precisa melhorar nas tarefas seguintes.

Além disso, por se tratar de uma barra que vai sendo preenchida durante o andamento das atividades, o método deixa as informações serem visualizadas com mais facilidade por todos os envolvidos.

Assim, qualquer um que quiser entender o progresso da equipe vai olhar para o indicador e saber exatamente como o trabalho está evoluindo. Ver a barra sendo preenchida a cada tarefa concluída dá uma sensação ainda maior de conquista, o que ajuda a manter a motivação das pessoas.

7. Jogos pervasivos

Para tornar as atividades mais dinâmicas, vale a pena apostar no mix de atividades virtuais e físicas. Assim, a experiência fica mais diversificada, interativa e até mesmo prazerosa para os participantes.

Nesse caso, vale a pena apostar em jogos pervasivos, nos quais os participantes precisam se vestir com determinadas roupas ou realizarem movimentos específicos para completarem as atividades, por exemplo.

Isso pode ser bem interessante para os casos nos quais os colaboradores precisam aprender a utilizar uma nova ferramenta, tecnologia ou máquina. Assim, pode-se realizar simulações antes de colocar o profissional para utilizar o recurso na prática. Os treinamentos podem ser tornar bem mais eficazes e trazerem resultados melhores dessa forma.

Como você pôde ver, há vários tipos de gamificação que podem ser implementados na sua empresa. O importante é escolher o modelo mais adequado para a sua estratégia e que tem mais potencial de trazer bons resultados, tanto para o negócio quanto para o desenvolvimento dos colaboradores.

A Robbyson tem bastante expertise em relação à gestão de pessoas, oferecendo soluções voltadas para esse setor, incluindo a gamificação. Quer saber como podemos ajudar? Então, entre em contato conosco e converse com um de nossos especialistas!

Você também pode gostar

Deixe um comentário